quarta-feira, 23 de abril de 2008

Não basta ser mãe...

O dito, na verdade, não é bem assim. Ele é usado para os pais, e fica assim: “Não basta ser pai... tem que participar!”
Em nossos dias, podemos dizer que este dito se aplica a todos aqueles que de alguma forma exercem o papel de pais, ou que, de maneira ou outra, assumiram este compromisso: pai e mãe, avô e avó, tias e tias, padrinhos e madrinhas, professores e professoras, babás, etc.
Datas tão especiais, que falam sobre a família e seu papel sempre me fazem pensar: Foram-se os dias que os vovôs sentavam com seus netos para contar estórias do “tempo da onça”? Foram-se os dias em que pai, mãe e filhos saíam para passear pelas praças e “ficar de bobeira”? Foram-se os dias que a mãe sentava com seus filhos e lhes contava histórias que tocam o coração? Foram-se os dias que professores visitavam os pais e conheciam cada detalhe dos seus filhos/alunos?
O mercado competitivo trouxe para as mulheres algo que vinham lutando: espaço, bons salários, liberdade...
Não me interpretem como machista (inclusive toda opinião que se dá pode ser mal interpretada!), mas será que todas estas conquistas das mulheres estão valendo a pena?
Há poucos dias atrás, no Dia Internacional da Mulher, lembramos suas lutas e conquistas por tudo aquilo que já mencionamos, mas, como fica a conquista de ser mãe?
Quantos filhos estão sedentos pelo colo de sua mãe, quantos rostinhos estão pedindo atenção, tempo, um cheirinho, uns beijinhos de boa-noite? Quantos rostos já com espinhas na cara, “rebeldes”, com pelos aparecendo pelo corpo necessitam da atenção, e, em especial, da mãe.
Não basta ser mãe...
Deus deu às mulheres algo que somente elas podem fazer: gerar dentro de si a vida. A ciência tenta copiar e fazer uma mãe artificial, como se fosse possível fabricar um óvulo, um útero, alimento, oxigênio, células, tecidos, e tudo tão maravilhoso como só uma mãe pode fazer.
Depois de vir ao mundo, quem melhor que o colo da mãe para aquecer, alimentar e cuidar daquele pequeno ser vivo que muitas vezes cabe dentro de uma das mãos e é tão frágil?
Hoje, depois de tantas conquistas e aplausos para a Mulher, precisamos todos pensar em nossas mães, como elas foram e são importantes para a vida no mundo. Não só o gerar, mas o cuidar, o entender, o aconselhar, o educar...
... tem que participar!

Feliz Dia das Mães. Que o amor de Jesus esteja sempre presente.

Pastor Renato.

Um comentário:

Adriana Ziemer Gallert disse...

Olá Pastor! Que mensagem linda! Me fez refletir sobre minha vida como mãe... Tentamos a todo momento fazer as coisas da melhor maneira possível, mas... são tantas atribuições que temos que assumir... que muitas vezes falhamos.
Gostei do seu espaço de reflexões! Continue proporcionando a nós esse momento! É muito importante!
Um abraço e que Deus continue iluminando as sementes que você tem espalhado pelo caminho!
Adriana Ziemer Gallert